O ¨Reino¨ é do queijo

Por Carla Reis

Acredita-se que o “Queijo do Reino”tenha sua origem do Edam holandês.

Reino1De formato esférico, o queijo Edam era importado para o Brasil na época da colonização para consumo da corte portuguesa , juntamente com os azeites , vinhos e outras iguarias. Para proteger o queijo que vinha nas Caravelas Portuguesas, os mesmos eram colocados em latas ( daí a tradição que perdura até hoje , de comercializar o queijo reino em latas ).

Os queijos passavam meses nos navios até IMG_0139desembarcar no Brasil , e neste período aliado as condições adversas de temperatura , a maturação do queijo acelerava e ele chegava a seu destino com uma textura e sabor bem diferentes do original edam holandês : mais picante , com sabor mais forte , seco e granuloso para o deleite dos privilegiados que consumiam os produtos vindos da Europa, ou do “ Reino” como se referiam aos produtos importados. Continuar lendo

Anúncios

Gorgonzola : Quatro maneiras de ter um Natal “Azul”

Por Carla Reis

Que tal aproveitar o clima das festas de final do ano , para saborar um dos nossos queijos favoritos? O gorgonzola é classico , saboroso , versátil e ideal para esta época do ano quando as pessoas querem celebrar suas conquistas!

Seguem aqui 4 maneiras rápidas e muito fáceis de apresentar este queijo clássico aos seus convidados e dar um toque de requinte à sua mesa e a seu cardápio.

1. Salada verde com gorgonzola : misture suas folhas preferidas ( alface crespa , alface americana, escarolas ou outras à seu gosto ) com nozes carameledas , castanhas trituradas , tomate cereja ( ou cereja ) , pêra picadas e pedaços de gorgonzola ( esmigalhados ou em pequenos cortes ): doce , salgado, crocante . Impressionante !!!!!

cheese 322 (1024x768)

2. Ao natural : sirva um pedaço de gorgonzola puro , ao natural e uma tábua ou prato. Corte em pequenos pedaços e deixe pedaços de pêras ou damasco cortados ao lado. Por que mexer em um clássico?

DSCN0692 (2)

3. Em canapés : faça pequenos canapés com gorgonzola sobre torradinhas ou biscoitos salgados . Combine com pêras ou frutas secas e sirva de entrada para seus convidados. Regue com mel : o sucesso é garantido!

SAM_1440 (1024x768)SAM_1443 (1024x768)

4.Em pasta ou creme : misture pedaços de gorgonzola com creme de leite até formar uma pasta. Sirva na entrada acompanhado de pães ou para fazer “dip” com legumes ou biscoitos tipo grissinis.

dips

Espero que gostem destas dicas saborosas e rápidas: aproveite melhor seu tempo para curtir a família e os amigos !

Camembert, um ilustre francês

Por Carla Reis

Crosta branca aveludada, textura cremosa , gosto de champignon…

O Camembert é um dos mais célebres queijos franceses, e é claro um dos meus preferidos .

Conta a história que Marie Harel, esposa de uma fazendeiro da Vila de Camembert na Normandia , deu abrigo em sua casa durante a revolução francesa à um padre fugitivo , que ficou tão grato pela hospitalidade que recebera , que em troca deu a jovem Marie conselhos preciosos sobre a secreta arte dos queijeiros. Estas dicas aliadas a qualidade inigualável do leite produzido naquela região, deu-se origem a esta iguaria, reconhecida em todo o mundo.

Para o queijo Camembert normalmente não existe meio termo: ou ama , ou odeia.

Eu aprendi a amá-lo durante a minha primeira experiência profissional com queijos, em um laticínio pequeno no interior do Sul de Minas Gerais: Laticínios Monte Branco, que hoje não existe mais. Continuar lendo

O que são queijos AOC, DOC ou DO?

IMG_0295Por Renata Curzi

As certificações, AOC (Apellation d’origine controlée– França), DOC (Denominozione di origine controllata– Itália), ou DO (Denominación de origen-Espanha), impressas nos rótulos de alguns queijos, atestam que eles foram produzidos de acordo com métodos tradicionais de fabricação, dizemos que têm a denominação de origem controlada. Os países produtores criam uma regulamentação das características destes produtos para defendê-los das cópias e da perda de identidade.

O Roquefort, por exemplo, só pode ser chamado por esse nome quando produzido na região de Roquefort, maturado nas cavernas locais, com leite de ovelhas, seguindo determinadas normas de fabricação, tamanho e forma.

Esses critérios valorizam e diferenciam os produtos e ainda reforçam o conceito do terrroir, já que enfatizam a ideia de queo queijo produzido em outra região não terá as mesmas características do queo produzido na origem. Outros fabricantes poderão até tentar produzir  similares, mas não passarão disso. Serão os “queijos tipo” Emental, Gorgonzola, Grana Padano, etc.

No Brasil

Continuar lendo

Como apreciar o queijo Brie

As melhores parcerias do queijo BriePor Renata Curzi

Conhecido como o “Rei dos Queijos”, o Brie ganhou esta fama quando seu parente mais nobre o Brie de Meaux (queijo francês com AOC– denominação de origem controlada) ganhou este título no Congresso de Viena no século XIX. Por ter sido produzido originalmente na região da Île de France, ele também é conhecido como o queijo parisiense.

No Brasil ele vem se popularizando aos poucos. O Brie produzido nacionalmente está em qualquer bom supermercado. Podemos encontrar também alguns importados industrializados. Os artesanais, feitos com leite cru e de sabor mais complexo não são feitos no Brasil e não podem ser importados por causa de nossa legislação sanitária. Então, fica a dica de um programa imperdível na França: experimentar os queijos Brie feitos com leite cru, mas atenção procure na embalagem as referências: “au lait cru” ou ainda AOC.

Características

Queijo Brie

Queijo mais maturado: massa homogênea e macia. Na casca nota-se que o mofo branco não está tão dominante, já é possível observar pontos amarelados.

 

Sua casca branca aveludada é resultado da ação de um fungo, o Penicillium camemberti, que não só dá a sua aparência característica, mas também promove a sua maturação de fora para dentro. Já notaram que o Brie mais jovem tem a massa em torno da casca mais mole e untuosa, enquanto o centro é mais denso? Isso é resultado da ação do mofo. Com o tempo, suas enzimas tornam a textura do queijo mais flexível e o seu sabor mais pronunciado. No final deste processo o sabor é forte e tende ao amoniacal e a massa parece quase derreter.

Qual a fase ideal para consumir? 

IMG_0218

Queijo brie jovem: a massa ainda não é homogênea, observa-se no seu interior um ‘coração’ mais duro e de cor ligeiramente mais pálida. Na casca, o mofo branco forma um veludo ainda bem uniforme.

Continuar lendo