Figos grelhados com mel e queijo cottage

Por Renata Curzi

O Marco Antônio preparou essa sobremesa para nós quando fizemos a degustação horizontal de queijo Brie (veja aqui ).Sobremesa com figo e cottage

No dia eu não tirei foto do prato, mas repeti a receita aqui em casa um dia à tarde e eu e minha amiga Dani tivemos um lanche delicioso, leve, que satisfaz a vontade de comer doces e ainda tem nutrientes que melhoram o humor- o é figo rico em magnésio e o cottage é excelente fonte de tirosina.

O efeito “alto astral” dessa receita é ainda maior porque ela é hiper fácil de preparar e só suja uma frigideira. Per.fei.ta!!

Substituições

Substituí o queijo brie da receita do Marco por queijo cottage. Outros queijos que funcionam aqui são o mascarpone, os queijos frescos de cabra e até o gorgonzola.

Ah! Quando fiz a receita me esqueci, mas nozes ou lascas de amêndoa caem muito bem nesse prato. Elas realçam os sabores e adicionam certa crocância.

sobremesa com figo e cottage 2G_1522

Essa sobremesa pode ser servida quente ou fria.

 Receita Continuar lendo

Anúncios

A absolvição do queijo: estudos desvinculam o consumo de gordura das doenças cardíaca

Primeiro os ovos foram absolvidos: de vilões causadores de doenças cardíacas migraram para a classe de alimentos de consumo recomendado por seu alto valor nutricional.

Em seguida foi a vez da carne e da gordura de porco. Antes tidos como malfeitores para o nível de colesterol, agora são recomendados por nutricionitas: o lombo é tão “saudável” quanto o peito de frango e a gordura tem um bom balanço de ácidos graxos.

EmmentalSerá que agora é a vez das gorduras saturadas?

Os cardiologista e nutricionistas têm recomendado o consumo de queijos pobres em gorgura- cottage, minas frescal- e condenado a manteiga e os queijos amarelos e duros.

No entanto, novos estudos no Reino Unido sugerem que é estatisticamente insignificante a relação entre o consumo de gorduras saturadas (as presentes no leite, queijos, manteiga e carnes vermelhas) e o risco de doenças cardíacas. Essa publicação é uma revisão de 72 estudos anteriores e mostra que a análise de dados utilizada nas pesquisas que condenaram as gorduras saturadas foi falha. (Leia aqui- em inglês)

Outra bomba relacionada ao assunto foi a publicação, nos EUA, de um livro – The Big Fat Surprise- que analisa a principal pesquisa que relaciona gorduras saturadas com problemas cardiovasculares. A autora demonstra através de análises e entrevistas com os cientistas que participaram do estudo que houve manipulação do resultados e erros grosseiros de análise estatística.big-fat-surprise-9781451624427_lg

O meu exemplar já está a caminho, comprei pela internet. Li os primeiros capítulos disponibilizados pela editora no site da Amazon e fiquei chocada. Infelizmente ainda não existe tradução para o português. Caso vocês se  interessem, posso publicar um post com os principais argumentos depois que terminar a leitura.

Por aqui alguns médicos já se posicionaram. Dr Dráuzio Varela escreveu um artigo no qual defende que o verdadeiro vilão da alimentação moderna é o grande consumo de açúcar e carboidratos, não as gorduras. Ele cita que “Hoje, dois terços das pessoas admitidas em hospitais com o diagnóstico de infarto do miocárdio apresentam a síndrome metabólica. Mas 75% desses pacientes têm níveis de colesterol total absolutamente normais. Talvez o colesterol não seja o verdadeiro problema”. Leia mais aqui.

Tenho muito interesse nesse assunto, sou mãe e cuido da alimentação de minha família. Confesso que já tive pânico de ovos, de carne de porco e de manteiga. Relaxei um pouco depois que fui apresentada a dois “paradoxos”:

.“Paradoxo” francês: os franceses comem tudo com manteiga, muitos ovos, são os maiores consumidores de queijo do mundo e, ainda assim, tem um dos menores índices de mortes relacionadas a doenças cardíacas;

.“Paradoxo israelense”: após a adoção de uma dieta rica em óleos vegetais e carboidratos e pobre em gorduras saturadas, houve um aumento nas mortes relacionadas a doenças cardíacas entre os israelenses.

No entanto, ainda restrinjo muito o consumo de carne vermelha aqui em casa, e apesar de amar queijos, ainda sinto uma pontinha de culpa quando meu filho ataca um Brie, que ele ama, ou me pede para fazer um filé com molho de gorgonzola. Racionalmente acredito que o consumo de nada disso faça mal. Mas o dano emocional já foi feito: a mídia (gorduras boas x gorduras más), os médicos e os cientistas com seus discursos amedrontadores ainda conseguem me desestabilizar.

Sigo aguardando os desdobramentos de toda essa controvérsia.

Links:

http://www.cartacapital.com.br/revista/776/gordura-na-dieta-840.html

http://www.telegraph.co.uk/journalists/sarah-knapton/10703970/No-link-found-between-saturated-fat-and-heart-disease.html

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/behindtheheadlines/news/2014-03-18-saturated-fats-and-heart-disease-link-unproven/

Degustação de queijos panorâmica

Essa história de degustação de queijos está rendendo. A nossa amiga Daniela Salvo,participou da degustação horizontal de Brie que fizemos e contou que adorou a experiência para sua cunhada, a Cris.

Nossa querida anfitriã: Cris.

Nossa querida anfitriã: Cris.

A Cris é super animada e quis fazer logo um encontro naquele estilo para receber as amigas e nos chamou para organizar uma degustação com tipos de queijo variados. Então eu e a Carla fizemos uma seleção panorâmica e escolhemos:

. Cablanca, um queijo de cabra holandês de sabor suave;

. Brie;

. Emmental françês;

. Comté (Oba!!Agora tem Comté no supermercado perto de casa!);

. Parmentino e

. Gorgonzola

A mesa de queijos

A mesa de queijos

Explicamos para as meninas as principais características de cada queijo, demos dicas para ajudá-las na hora da compra, respondemos muitas perguntas, e, claro, experimentamos um por um!

A escolha dos vinhos ficou por conta da Dani, que ar.ra.sou! Se alguém estiver organizando um evento de queijos e vinhos e estiver com dúvidas pode apostar nessas opções. Usamos um vinho branco, Fiano, que harmonizou muito bem com o Cablanca e o Brie e um tinto: o Comandante Maremma da Toscana que ficou bárbaro com o Emmental, Comté e o Parmentino.

20140606-094201-34921951.jpg

O vinho branco: parceiro perfeito para o cabalanca e o brie

O vinho tinto: excelente com o emmental,comté e parmentino

O vinho tinto: excelente com o emmental, comté e parmentin

 

Desta vez teve risoto também, preparado pela Dani. Parma, Shitake e cogumelos Paris. Tudo de bom! A sobremesa foi um pãozinho de mel muito especial.

Comemos e rimos muito. Foi uma noite divertidíssima! Esperamos que as meninas tenham gostado e aprendido alguma coisa sobre o maravilhoso mundo dos queijos.

Até a próxima!