Queijo roquefort alemão?!

Esse post é diferente de tudo que escrevemos até aqui. Uma mistura de indignação, esclarecimento e no final das contas uma reflexão… É também um alerta para vocês leitores.

Em um mundo ideal não precisaria escrever sobre isso, mas a realidade está aí, gritando no folheto e nas gôndolas do supermercado ‘gourmet’ do bairro: “o queijo roquefort alemão está em oferta”. Os leitores mais atentos já devem ter matado a charada. Roquefort alemão? Que história é essa?

Muito bem meus amigos, vocês estão certos. Não existe roquefort alemão, muito menos roquefort feito de leite de vaca. Mas o anúncio está lá. Tirei fotos do folheto de ofertas e da etiqueta do queijo.

20140801-180857-65337121.jpg

Sabe o que é pior? Não é a primeira vez que isso acontece, há alguns meses escrevi para o supermercado explicando tudinho. Prefiro acreditar que eles são mal assessorados. A realidade, no entanto, volta a protestar e me dou conta que se eles compram o queijo ‘bergader blue’ porque o rotulam como roquefort? Será que ‘queijo azul alemão’ venderia menos?

Uma rápida busca na internet faz essa questão ganhar uma dimensão maior: parece que alguns distribuidores, e talvez importadores, também estão equivocados. Uma pena. O tal queijo azul alemão é muito bom, mas é bem diferente do roquefort. Só isso!

Para os leitores do blog fica a dica: não levem gato por lebre. Queijo roquefort só de leite de ovelha, por favor!! Como já explicamos aqui o roquefort tem um sabor complexo: picante, salgado e doce. Tudo ao mesmo tempo. Muitos o amam, outros o acham muito forte.

Já o queijo alemão é feito com leite de vaca e por apresentar maior teor de gordura, sua consistência é quase cremosa e derrete na boca. Tem sabor mais suave se comparado a outros queijos azuis, mas ainda é um pouco picante. Acho que agrada bem ao paladar do brasileiro.

Independente do gosto pessoal, temos o direito de saber exatamente o que estamos comprando, não é mesmo?

Anúncios

8 respostas em “Queijo roquefort alemão?!

  1. Roquefort alemão é melhor que o ROCK FORTE de Minas Gerais, criado no PIUMHI !!! Não acha? são coisas do mercado, e dos consumidores, nós técnicos sim , que nos injuríamos com o descaso com o consumidor e conhecimento. abraços !!!

    • Essa é boa, rsrs. Não conhecia essa história do rock forte, não.
      Você traduziu o meu sentimento em relação a isso tudo: fico injuriada, brava mesmo.
      A nossa relação com queijo é afetiva e emocional, não é mesmo.
      Será a praga do bezerro?
      Você está trabalhando aonde?
      Abc,
      Renata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s