Murray’s Cheese: uma fromagerie americana?

Por Renata Curzi

Apesar de ter viajado para NYC por motivos familiares e de estar sozinha com minha filhota, não poderia deixar de dar uma passadinha na Murray’s Cheese, uma das lojas de queijos mais famosas do mundo. Essa não é nossa primeira postagem sobre o tema, em 2015, a Carla visitou o empório da Grand Station. Desta vez, fui à unidade mais antiga e tradicional da marca, que funciona há mais de 70 anos em uma vizinhança bem mais sossegada, o Greenwich Village.

Viajar com crianças requer uma dose cavalar de paciência e também muita flexibilidade no planejamento para diminuir as inevitáveis frustrações. Como estava meio obcecada em comprar um legítimo Cheddar inglês, elenquei essa tarefa como a número 1, o que eu conseguisse a mais viria como lucro.

Reservei a parte da manhã para o passeio, hora em que eu imaginava que o humor de minha pequerrucha estaria no seu ápice. O acesso é muito fácil por metrô, após descer da estação e andar poucas quadras pelas ruas tranquilas do bairro, o coração já começa a bater mais forte ao avistar a placa da loja .

Antes de entrar, nada melhor do que tirar algumas fotos do lado de fora para aliviar a tensão. Talvez para vocês seja algo totalmente banal, mas para mim, essa experiência equivale a visitar o camarim de seu ídolo depois de um show. Empurrar a porta é a senha para entrar em universo paralelo, onde o tempo parece passar em câmara lenta e onde as experiências são todas tão cheias de emoção que cada segundo fica registrado permanentemente no HD do cérebro.

A primeira impressão não poderia ser melhor, uma atendente sorridente oferecia amostras de biscoitos logo na entrada. Os ofereci para a Alê na esperança de ganhar uns minutinhos a mais de sossego na loja. Após dar 2 passos rumo ao interior, descobri que manter o foco seria quase impossível diante de tantas tentações. Minha primeira visão foi uma cena de tirar o fôlego: várias peças de Parmigiano Reggiano empilhadas e ladeadas por 3 cestas de vime (uma com cortes de Grana Padano, uma com um Parmigiano Reggiano regular e a última com o ‘solo di bruna’).

 

 

Em cada cesta, uma plaquinha descrevia as características e qualidades do queijo exposto. Uma mãozinha bem vinda para ajudar os consumidores a escolher entre 3 itens de aparência similar e de preços nem tanto assim. Essa estratégia se repete em TODOS os produtos da loja, elas funcionam como um mapa guiando-nos entre os mais de 100 tipos de queijo a venda.

Por alguns segundos, sonhei acordada com lojas e supermercados adotando esse mesmo método de identificação no Brasil, ao voltar a mim, olhei em volta e me senti perdida. A organização da loja parece confusa à primeira vista: é que além de queijos, no mesmo espaço convivem salumeria; delicatessen; serviço de catering; uma lanchonete que serve café da manhã, sanduíches, saladas e alguns pratos quentes; uma cave envidraçada e ainda um local que oferece aulas sobre queijos e harmonizações.

Resolvi começar minha exploração pelo fundo da loja porque parecia mais tranquilo. Apesar de ser menos frequentada, essa parte é de uma interessância incrível, uma parateleira de madeira exibia méis, geleias e chutneys desenvolvidos para harmonizar com cada tipo de queijo. Escolhi uma geleia com a marca da Murray’s, no sabor “Apple Butter” cuja embalagem prometia ser o acompanhamento perfeito para o Cheddar. Agora só faltava comprar o queijo…

De onde estava, tive uma visão melhor do espaço. À esquerda da porta da entrada há um espaço com acessórios como facas especiais, tábuas e alguns balcões frigoríficos com produtos pré-embalados. No centro, um aglomerado de pessoas comiam seus sanduíches. Mais ao fundo o enorme balcão frigorífico, comandado por vendedores trajando quimonos vermelhos e uma fila de clientes. Objetivo localizado!

Mustapha: meu adorável guia na Murray’s

Enquanto estava na fila não pude deixar notar as singularidades dos consumidores e seus pedidos. Chamaram a minha atenção uma jovem moderninha que estava organizando um serviço de catering para uma vernissage e uma típica americana da high society; discretíssima, vestindo calças chino, camisa branca e um diamante eloquente, a escolher queijos para a entrada do jantar. Depois de algum tempo fui atendida por um rapaz com um sorriso que quase não cabia em seu rosto, Mustapha, um ‘cheesemonger’ simplesmente adorável. Sua feição tornou-se um pouco preocupada quando ouviu o meu pedido: english cheddar????

Escrevi bastante, mas quero compartilhar mais da minha experiência na Murray’s com vocês. Um post só ficaria muito longo. Resolvi dividi-lo em duas partes. Semana que vem publicarei a continuação de minhas “aventuras”. Até lá!

 

 

 

O Quê do Queijo na Expolac 2015

Por Carla Reis

Esta semana visitei a Minas Láctea 2015 que acontece em Juiz de Fora sempre no mês de Julho. Este evento reúne toda a cadeia láctea do país e é uma referência na difusão de tecnologias sobre leite e derivados.

minas lactea

Minas Láctea 2015

Concurso de Produtos lacteos

Concurso de Produtos Lácteos 2015

Além de me atualizar, participar desta feira é muito importante prá mim, pois é uma oportunidade de rever meus amigos e matar as saudades da Cândido Tostes  ou “Candinha”  como carinhosamente tratamos a nossa escola.

Na Minas Láctea, acontece a Expolac onde as principais marcas de queijos do país expõem seus produtos , lançamentos e inovações.

Neste evento sempre tem espaço para a “criatividade dos queijeiros” que  trazem algumas curiosidades sobre o mundo dos queijos, na maioria das vezes bem humoradas e deliciosas que deixam o evento ainda melhor.

Vou dividir com vocês algumas curiosidades que vi por lá:

1. Queijo com Frutos do Cerrado :

É um queijo de massa macia ( parecido com o queijo prato ) fabricado exclusivamente com leite de vacas criadas e alimentadas no cerrado e adicionado de frutos do cerrado como o Baru ou Cumaru na massa. Segundo os produtores estes frutos tem propriedades afrodisíacas…

Cientificamente falando não posso afirmar, só experimentando né..rs

cerrado.jpg

2. Queijo Cascudinho do Morro do Jucu :

Este queijo amarelinho por dentro e com mofo branco por fora , é feito de leites selecionados de vacas criadas nas montanhas da mantiqueira próximas a cidade de Paraty ( montanha com vista para o mar … ). Tem notas cítricas e amendoadas e textura bem suave. Os produtores recomendam degustá-lo acompanhado da cachaça fabricada na região de Paraty.

O queijo eu provei e é muito bom. Falta validar a cachaça , rs

cascudinho

3. Queijo de Santo Antônio Casamenteiro :

Segundo o queijeiro fabricante , a receita desta iguaria foi achada em um mosteiro em Coimbra-Portugal  e segundo a lenda “foi escrita pelo próprio Santo Antônio”. E vai dizer que não ??? rs

Quem comer esta iguaria encontrará o amor da sua vida e se der errado provavelmente foi porque o próprio Santo Antônio pode ter se apaixonado por você…. Sei lá, eu não quis me arriscar !!!

santoantonio.jpg

4. Snack de queijo com Fibras e Probióticos

Bem bacana e no formato de pequenas estrelinhas, este snack é feito a base de queijos naturais processados e adicionado de probióticos e fibras naturais. O mais interessante é que é um queijo que não precisa refrigeração , o que o torna além de saudável , prático e portátil.  Gostei da inovação.

healthy cheese

Escolhi estas 4 curiosidades , mas ainda tinha muito mais queijos temáticos e divertidos expostos junto as mais tradicionais marcas de queijos do país como podem ver nas fotos.

WQueijos

Expolac 2015

É um deleite para os apreciadores de queijos: vale a pena a visita.

Não posso também deixar de homenagear meus amigos queijeiros da turma de 1993 : Claudia Itaboray, Adriana Cristina , Adilson Jr. , Antônio Sérgio ( Tonzé ) , Luciano Oliveira e todos os outros que encontrei por lá.  #adoro #bff

E até a próxima Minas Láctea!

bff

 

 

La Fromagerie Quatrehomme

Por Carla Reis Para os amantes do queijo Paris é um pedacinho do paraíso. Eu já havia escrito este post há um tempo, mas só agora resolvi postar e dividir com vocês uma visita que fiz na Fromagerie Quatrehomme, na cidade luz. Visitei Paris logo quando comecei a escrever o blog e sai procurando lugares bacanas para compartilhar: foi assim que descobri esta queijaria.

Fromagerie1A fromagerie Quatrehomme  é muito tradicional na França, atualmente é gerenciada pela Mm. Marie Quatrehomme , a 4ª em uma geração de especialistas na arte de maturar queijos – condecorada no ano 2000 com o título máximo da categoria de Melhor Conhecedora de queijos da França e a 1ª mulher a receber este título. Demais, né! FROMAGERIE A queijaria é muito aconchegante: você entra e encontra uma mesa com vários queijos harmonicamente expostos e um profissional para te apresentar e orientar sobre cada um deles.

mesaqueijos

Foto do site Fromagerie Quatrehomme

Foto do site Fromagerie Quatrehomme

Os queijos são comprados nas queijarias familiares de várias regiões da França e trazidos para as câmaras de maturação que ficam no subsolo da loja. Os queijos são maturados nas condições ideais para desenvolver o melhor de sabor e textura. Marie cuida de cada lote e determina o ponto ideal que o queijo será disponibilizado à venda. Existe um queijo com idade ideal para cada gosto: vai do sabor mais suave ao mais pungente, depende da preferência.

Foto site fromagerie quatrehomme

Foto site fromagerie quatrehomme

O mais interessante é que o atendimento é personalizado:  entre um bate e papo e outro eles tentam te conhecer melhor e depois indicar o queijo que melhor combina com seu paladar, com a ocasião de consumo, enfim o queijo ideal para o seu perfil. Nada como conhecer os desejos do consumidor e oferecer o produto certo. E de quebra indicam o vinho, os acompanhamentos e tudo mais que tem disponível na loja para incrementar sua mesa de queijos… e a gente compra, é claro !!! rsrs É uma experiência muito bacana que vai além da compra. Você sai com a sensação que aprendeu sobre o assunto e ainda fez amigos. Fica aí a dica: se tiver na bela Paris, invista um tempinho para conhecer esta fromagerie. Fica há alguns passos do “Le Bon Marché de Paris” na Rue de Sévres. Vale a pena conferir. endereço

Visita a Murray´s Cheese em Nova York

Por Carla Reis

Viajar é um dos melhores prazeres da vida! Novos lugares, pessoas e culturas diferentes, aromas e sabores inusitados à descobrir.

2014-12-13 14.22.11

No mês passado fui de férias para os EUA com meu filho e podem acreditar: um de nossos programas prediletos foi visitar feiras, mercados locais e supermercados. Convenhamos: os supermercados americanos são verdadeiros shopping centers.

Mas o que mais me impressionou nesta viagem, foi o mercado que fica na “Grand Central Station” em Nova York. Este terminal foi construído em 1903 e é considerado um dos maiores terminais de trens do mundo. Além das inúmeras plataformas construídas no estilo beaux-arts e do belíssimo salão principal, o terminal abriga o Market Central, um verdadeiro paraíso gastronômico.

Foi lá que conheci a famosa Murray´s Cheese: uma loja especializada na venda de todo tipo de queijos. (E de utensílios, de artefados, de facas e tábuas, feitos para encantar cheese lovers como eu. E é claro, enlouqueci rs rs).

murrays4 (2)

Welcome Murray’s Cheese!

2014-12-12 16.31.07

A loja tem uma decoração super charmosa. Lá você encontra praticamente todos os tipos de queijos do mundo e o melhor: pode degustar a maioria deles antes de escolher qual comprar. Um diferencial que temos que copiar rapidinho aqui no Brasil!

2014-12-12 16.18.39

murrays3

Em todos os queijos encontramos informações sobre suas origens, um pouco da história e indicações sobre as melhores combinações . Dá mais segurança ao cliente na hora da compra.

 

Já comeu caramelos de leite de cabra?

Já comeu caramelos de leite de cabra?

Você recebe orientações dos atendentes sobre a história do queijo, os melhores acompanhamentos, como servir, com que vinho ou cerveja combinar. Além de tudo isto, encontra utensílios “fofos” como tábuas e pedras para servir e decorar a mesa.

2014-12-12 16.40.45

Tábuas , pedras e utensílios para decorar a mesa.

Para quem procura algo pronto para servir ou para presentear, tem várias opções de kits de queijos, que já vem montado inclusive com os acompanhamentos. Praticidade para receber com charme.

2014-12-12 16.40.54

Caixas de madeira para montar os kits com queijos e presentear. Lindas e charmosas.

Para os que querem arriscar na arte queijeira, tem kits para fazer o queijo em casa. Bacana e divertido.

murrays6

Kits com ingredientes e receitas para arriscar e fazer seu queijo em casa. Fácil , divertido e delicioso.

Comprei um queijo Brie francês, um pedaço de Grana Padano e um Cheddar de Vermont. Trouxe papéis especiais para embrulhar os queijos para evitar o ressecamento na geladeira (lindos) e um réchaud para fazer o brie au four com geléia. Depois vou contar aqui nos posts o que achei de cada um deles!

murrays7

Enfim, adorei a experiência de visitar a loja e não é propaganda não, tá.  Só não podia deixar de dividir esta experiência com vocês que visitam nosso blog.

Fica a dica: caso estejam em NY não deixem de visitar a Grand Central Station e passar na Murray´s cheese. Vale a pena conhecer!

 

Queijo Colonial , o queijo das mulheres

Por Carla Reis

colonialNa semana que passou , estive na região serrana do Rio Grande do Sul e aproveitei  “a deixa” para conhecer um pouquinho mais do tradicional queijo Colonial.

Conversando com alguns locais conclui que o queijo colonial está para os gaúchos assim como o queijo Minas está para os mineiros…

Bah , é pura verdade: este queijo não falta na mesa dos gaúchos e é  consumido puro, em lanches como também na culinária.

O queijo colonial chegou ao Brasil juntamente com os imigrantes italianos por volta de 1875. Palavras da D. Ana da lojinha especializada na venda de queijos e vinhos  fabricados na serra gaúcha : “ aprendi a fazer o queijo colonial com minha mãe , que aprendeu com a minha avô que veio da Itália fugida da guerra . Tirar o leite e fazer o queijo era ofício das mulheres para ajudar nas despesas da casa”.

Quem ainda dúvida do empreendedorismo feminino ? Desta forma a cultura da fabricação do queijo foi disseminada pela região que sempre foi muito propícia a criação de gado de leite.

Mas o que este queijo tem de especial ? Continuar lendo

Mac n´Cheese – O prato dos “Presidentes”

Por Carla Reis

Sabe aqueles dias em que você precisa de um carinho, um prêmio de consolação, celebrar um acontecimento especial ou até mesmo afogar as mágoas?

O que vem primeiro a sua mente? Na minha, vem macarrão com queijo.

Não há nada mais “confortável” que um belo prato de macarrão com molho de queijo apreciado sem culpa.

Parece que macarrão com queijo tem poderes mágicos… E o que é melhor, não precisa ser nenhum “chef” para fazer este prato.

mac5

Em uma recente viagem nos Estados Unidos, descobri uma curiosidade sobre o famoso Mac n´cheese: conhecida como “comfort  food” era o prato preferido dos presidentes Thomas Jefferson e Ronald Reagan.

Nós que amamos macarrão com queijo estamos em boa companhia …

A paixão de Thomas Jefferson pelo prato era o era tão evidente, que o levou a reinventar a máquina de fazer macarrão usada na época. Suas receitas preferidas constam em alguns documentos da Biblioteca do Congresso Americano.

Thomas Jefferson  preferia a massa com queijo cheddar inglês ou queijo de cabra trufado . Já Ronald Reagan tinha sua receita especial de macarrão com queijo e bacon.

Bem, curiosidades à parte,  a minha receita preferida de Mac n´cheese é bem simples e rápida:

Ingredientes:

  • Macarrão do tipo caracol (para fazer 4 potinhos, uso meio pacote)
  • 200g de molho de queijo cheddar  ( cheddar cremoso)
  • Queijo parmesão ralado ( ou outro queijo de seu gosto)
  • Pimenta do reino, sal e noz moscada a gosto.

Se quiser um pouco mais de requinte para a receita, substitua o queijo cheddar por queijo gorgonzola ou gruyére.

Modo de preparo:

  • Cozinhe o macarrão até que fique “al dente”
  • Enquanto o macarrão cozinha,  coloque o queijo cheddar na panela,      tempere com pimenta do reino, noz moscada e sal a gosto e mexa até começar      a ferver.
  • Escorra o macarrão e misture no molho
  • Polvilhe o queijo e leve ao forno para gratinar
  • Sirva quente

Agora é só se deliciar sem contar as calorias. Permita-se um “dia de merecimento” com uma comidinha aconchegante!

Os queijos da Oktoberfest

Por Daniela Xavier Belz

Olá. Este é o primeiro post que escrevo para o blog. Meu nome é Daniela, sou irmã da Renata e amiga da Carla. As meninas me convidaram para escrever sobre os queijos da Oktoberfest, já que meu marido é alemão e moro na Alemanha a maior parte do tempo.

Biergarten em Pittsburg- EUA

Biergarten em Pittsburg- EUA

Neste ano estávamos em Pittsburgh durante o período da festa e nem por isso deixamos de participar, porque a poucas qudras de onde morávamos há uma filial de uma famosa cervejaria de Munique, que serve os pratos tradicionais em seu Biergarten. Os Biergärten são espaços ao ar livre com longas mesas e bancos, onde os clientes de bares e restaurantes – querendo aproveitar até o último raiozinho de sol do verão setentrional – são servidos.

Desta cervejaria, o meu petisco preferido era o Pretzel gigante, bem fofinho, acompanhado de 3 tipos de dip: o obatzda, que blog já teve sua receita publicada pelo blog, a fondue de queijo com cerveja e a mostarda doce. Este prato é muito democrático e casa bem com cerveja de trigo, pilsner, escura ou Hefeweizen (que não passa pelo processo de filtração do fermento de levedura, o qual se acumula no fundo da garrafa).

Queijos mergulhados na cerveja

Como a Carla já contou nesse post  há muitos especialistas que preferem harmonizar os queijos com cerveja. Na Alemanha isso já é regra há bastante tempo. Chega-se ao ponto de consumir queijo molhado diretamente na cerveja.

Pretzel

Esse costume peculiar é da Baviera e o queijo usado é o Bierkäse – um tipo de queijo de casca lavada de odor muito forte e sabor suave – que é consumido com cebola e páprica, ou simplesmente mergulhado na cerveja!! Nem tão diferente assim dos britânicos, que amolecem o biscoito no chá, ou do pessoal no interior do Brasil, que o gosta de molhar o pão no café preto ou com leite.

Mas se a cerveja obrigatoriamente tem que ser alemã, por que não tomar emprestado dos franceses o famoso Brie e apresentá-lo de forma bem surpreendente na Obatzda?

E a fondue de cerveja?!  Com esse prato que poucos se negam a experimentar, os alemães provam de vez que a cerveja e o queijo nasceram um para o outro. Enquanto nas versões suíça e francesa vinho branco ou kirsch tem que se fazer presentes, a versão germânica é mais leve, o que torna seu consumo agradável em qualquer estação.

Um pouco de história

A primeira Oktoberfest aconteceu em Munique há exatos 200 anos, quando uma princesa da família von Bayern se casou e quis que o povo também comemorasse. Entretanto, esta foi a 186ª edição da festa, pois guerras e epidemias de cólera conseguiram quebrar a sequencia.

Hofbräuhaus- Cervejaria temática em Pittsburgh

Hofbräuhaus- Cervejaria temática em Pittsburgh

De lá para cá, a Baviera juntou-se ao império alemão, a monarquia foi destronada… mas o festival, coincidindo com as celebrações pela colheita, tornou-se uma tradição, acontecendo sempre entre a penúltima sexta-feira de setembro e o primeiro domingo de outubro (sim, a maior parte da Oktoberfest  acontece durante o mês de setembro!).

Nesses dezesseis dias, mais de seis milhões de litros de cerveja são consumidos, acompanhados de Schnitzel (escalope empanado), joelho de porco, frango assado e… queijos!

Então, enquanto muitos Biergärten ao sul da Alemanha já tiveram que ser fechados sob vários centímetros de neve e o consumo de cerveja no país declina um pouco até a próxima primavera, deixe-se contagiar pela animação da Oktoberfest de Blumenau, que ainda vai rolar até 19 de outubro, justifique-se apontando para os termômetros brasileiros em disparada, ponha algumas garrafas do precioso líquido dourado para gelar e prepare a fondue de cerveja seguindo as dicas de nossa próxima postagem.

Prost!