Parmesão e Gin Tônica de Morango com Manjericão

Parmesão e gin com morango e manjericãoAndo inspirada pela minha ídola Madame Fromage, que vai publicar em março do ano que vem um livro só com harmonizações entre drinks e queijos. Estou ansiosíssima por esse lançamento! Enquanto o livro não chega para eu testar as sugestões dela, vou fazendo minhas experiências. As que funcionarem bem, conto para vocês aqui.

Para começar imaginei um drink que combinasse com os queijos da família do parmesão. Ando ruminando essa ideia há algum tempo porque uma das minhas maneiras favoritas de consumir os queijos dessa família é com morangos e creme de aceto balsâmico. Então por que não procurar um drink com esses ingredientes?

gin morango e manjericão

O resultado da pesquisa foi melhor do que o esperado: um coquetel com gin, morangos e manjerição. A combinação ficou per.fei.ta! O manjericão todo mundo sabe que vai muito bem com o parmesão. O gin foi uma surpresa para mim. Mas pensando bem, faz algum sentido: notas herbais e florais com um toque fresco são um ótimo complemento para os queijos dessa categoria.

A receita original você pode encontrar aqui. Vocês vão notar que fiz algumas alterações. É que eu testei bastante antes de escolher essa versão da receita. Ô vida dura, rsrs! Espero que vocês gostem da sugestão e divirtam-se tanto quanto eu quando forem degustar seu parmesão maturado, parmesão d’alagoa, grana padano, parmentino, parmigiano reggiano…

Anúncios

Queijos perfeitos para os dias de calor

Servir queijos é uma maneira prática e sofisticada de receber. Eles funcionam bem como entrada ou como petisco. É só escolher 2 ou 3 tipos de diferentes categorias, juntar frutas secas e frescas, castanha do pará, pistache, salame ou presunto cru e um tipo de pão. Pronto! Seus amigos já podem chegar.

Como tudo na vida há algumas regras que elevam o potencial de sabor dos queijos: eles devem ser servidos sempre à temperatura ambiente, devem ser retirados do refrigerador e de suas embalagens com pelo menos meia hora de antecedência. Para cada queijo usar uma faca, de preferência de corte liso. Nada muito complicado.

Mussarela de búfala, Mini Brie e Grana: uma tábua de queijos perfeita para os dias mais quentes.

Mussarela de búfala, Mini Brie e Grana: uma tábua de queijos perfeita para os dias mais quentes.

Apesar de muitos ainda associarem esse consumo ao inverno, existem queijos perfeitos para serem consumidos nas estacões mais quentes do ano. A digestibilidade e a leveza dos queijos está muito relacionada com o tipo de leite utilizado, o teor de gorduras, lactose e com a presença de algumas proteínas. 

Queijos de Cabra

Continuar lendo

Degustação de queijos panorâmica

Essa história de degustação de queijos está rendendo. A nossa amiga Daniela Salvo,participou da degustação horizontal de Brie que fizemos e contou que adorou a experiência para sua cunhada, a Cris.

Nossa querida anfitriã: Cris.

Nossa querida anfitriã: Cris.

A Cris é super animada e quis fazer logo um encontro naquele estilo para receber as amigas e nos chamou para organizar uma degustação com tipos de queijo variados. Então eu e a Carla fizemos uma seleção panorâmica e escolhemos:

. Cablanca, um queijo de cabra holandês de sabor suave;

. Brie;

. Emmental françês;

. Comté (Oba!!Agora tem Comté no supermercado perto de casa!);

. Parmentino e

. Gorgonzola

A mesa de queijos

A mesa de queijos

Explicamos para as meninas as principais características de cada queijo, demos dicas para ajudá-las na hora da compra, respondemos muitas perguntas, e, claro, experimentamos um por um!

A escolha dos vinhos ficou por conta da Dani, que ar.ra.sou! Se alguém estiver organizando um evento de queijos e vinhos e estiver com dúvidas pode apostar nessas opções. Usamos um vinho branco, Fiano, que harmonizou muito bem com o Cablanca e o Brie e um tinto: o Comandante Maremma da Toscana que ficou bárbaro com o Emmental, Comté e o Parmentino.

20140606-094201-34921951.jpg

O vinho branco: parceiro perfeito para o cabalanca e o brie

O vinho tinto: excelente com o emmental,comté e parmentino

O vinho tinto: excelente com o emmental, comté e parmentin

 

Desta vez teve risoto também, preparado pela Dani. Parma, Shitake e cogumelos Paris. Tudo de bom! A sobremesa foi um pãozinho de mel muito especial.

Comemos e rimos muito. Foi uma noite divertidíssima! Esperamos que as meninas tenham gostado e aprendido alguma coisa sobre o maravilhoso mundo dos queijos.

Até a próxima!

Degustação Horizontal de queijo Brie

Por Renata Curzi

Neste fim de semana fizemos uma degustação só com queijo Brie –
degustação horizontal. Essa história começou porque nossa amiga Márcia, grande incentivadora do blog e louca por Brie, queria testar nossos conhecimentos sobre queijos na prática, rsrs.

Degustação-Brie-4.jpg

Levamos o desafio a sério. Convidamos alguns amigos, entre eles o Marco Antônio, um que “chef” que atua como dentista nas horas vagas; definimos o cardápio; escolhemos um espumante e tudo virou festa.

Marco, o dentista cozinheiro, e nossa amiga Lilian

Marco, o dentista cozinheiro, e nossa amiga Lilian

Começamos com a degustação, depois o Marco preparou um risoto de aspargos com presunto parma, que ficou tudo de bom. A sobremesa foi figos maduros grelhados no mel acompanhados de queijo Brie.

A noite foi super agradável, rimos muito e nos divertimos. O que comprova nossa teoria de que os queijos transformam encontros em celebração. Obrigada Dani, Lilian, Marcelo, Márcia, Marco e Letícia, adoramos a companhia de vocês.

Quando fazer uma degustação horizontal

A degustação horizontal é o melhor método para quem quer entender e aprender mais profundamente sobre um determinado tipo de queijo.

Carla explica para Márcia e Dani como avaliar a consistência do queijo Brie

Carla explica para Márcia e Dani como avaliar a consistência do queijo Brie

No nosso caso, a proposta foi ajudar nossos amigos a descobrir suas preferências, a identificar os estágios de maturação e a entender a diferença entre os principais fabricantes de Brie que encontramos no mercado.

Escolhemos 5 queijos de marcas diferentes e em estágios de maturação diversos. Optamos por deixar as fatias inteiras e cortá-las no decorrer da degustação para enfatizar a importância de julgar a textura, consistência e a aparência ao escolher um Brie.

 

Mac n´Cheese – O prato dos “Presidentes”

Por Carla Reis

Sabe aqueles dias em que você precisa de um carinho, um prêmio de consolação, celebrar um acontecimento especial ou até mesmo afogar as mágoas?

O que vem primeiro a sua mente? Na minha, vem macarrão com queijo.

Não há nada mais “confortável” que um belo prato de macarrão com molho de queijo apreciado sem culpa.

Parece que macarrão com queijo tem poderes mágicos… E o que é melhor, não precisa ser nenhum “chef” para fazer este prato.

mac5

Em uma recente viagem nos Estados Unidos, descobri uma curiosidade sobre o famoso Mac n´cheese: conhecida como “comfort  food” era o prato preferido dos presidentes Thomas Jefferson e Ronald Reagan.

Nós que amamos macarrão com queijo estamos em boa companhia …

A paixão de Thomas Jefferson pelo prato era o era tão evidente, que o levou a reinventar a máquina de fazer macarrão usada na época. Suas receitas preferidas constam em alguns documentos da Biblioteca do Congresso Americano.

Thomas Jefferson  preferia a massa com queijo cheddar inglês ou queijo de cabra trufado . Já Ronald Reagan tinha sua receita especial de macarrão com queijo e bacon.

Bem, curiosidades à parte,  a minha receita preferida de Mac n´cheese é bem simples e rápida:

Ingredientes:

  • Macarrão do tipo caracol (para fazer 4 potinhos, uso meio pacote)
  • 200g de molho de queijo cheddar  ( cheddar cremoso)
  • Queijo parmesão ralado ( ou outro queijo de seu gosto)
  • Pimenta do reino, sal e noz moscada a gosto.

Se quiser um pouco mais de requinte para a receita, substitua o queijo cheddar por queijo gorgonzola ou gruyére.

Modo de preparo:

  • Cozinhe o macarrão até que fique “al dente”
  • Enquanto o macarrão cozinha,  coloque o queijo cheddar na panela,      tempere com pimenta do reino, noz moscada e sal a gosto e mexa até começar      a ferver.
  • Escorra o macarrão e misture no molho
  • Polvilhe o queijo e leve ao forno para gratinar
  • Sirva quente

Agora é só se deliciar sem contar as calorias. Permita-se um “dia de merecimento” com uma comidinha aconchegante!

Os melhores acompanhamentos para o queijo Brie

Por Renata Curzi

As melhores parcerias do queijo BrieNessa foto reuni sugestões que considero serem as melhores para acompanhar o Brie. A ideia é auxiliar os fãs desse queijo em suas invenções gastronômicas. Aqui não tem erro, é só escolher a forma (saladas, sanduíche, panqueca, torta, massa, omelete, carne…) e juntar um ou mais desses ingredientes + o Brie que o resultado vai ser dusdeuses!

Para provar que dá certo, preparei 5 aperitivos rapidinhos coordenando esses deliciosos ingredientes. Sou suspeita, mas tudo ficou delicioso! Tente fazer em casa, a maioria fica pronta em menos de 20 minutos!

Confira no próximo post!

 

Provolone dulce: quem disse que todo provolone tem que ser defumado?

Por Renata Curzi

O que define um queijo provolone?

Provolone derretido

Se você pensou em massa filada, defumação e sabor picante, a resposta é certa, mas vale apenas em nossas fronteiras. É que na tradição brasileira provolone e defumação são indissociáveis. Mas quando se fala do original italiano, não é bem assim. Eu acreditava que nenhum provolone de lá era defumado.

Mas na verdade, a maioria dos queijos desse tipo na Itália não passa por esse processo. Lá eles podem ser encontrados em 3 versões: doce, extra-doce e picante. Somente alguns da variedade picante são defumados. Essa informação eu consegui com meu amigo querido e professor na disciplina ‘queijos’, o Eduardo Peres Dutra. Nenhum dos livros sobre queijo que tenho fala a respeito disso.

O provolone dulce

Embalagem provoloneEm alguns supermercados daqui é possível achar o provolone fresco (dulce) importado. Outro dia o encontrei em promoção: quem comprasse o queijo ganhava uma terrina de cerâmica para derretê-lo (200g de queijo + a terrina por R$24,50). Não resisti! Adoro “ganhar” alguma coisinha para a minha cozinha.

O provolone fresco tem a textura muito parecida com a da muçarela. As semelhanças param por aí. Ao abrir a embalagem você já sente um aroma acre, que nos faz salivar. O sabor é suave, um pouco ácido e picante. Essas características são obtidas em queijos frescos graças à adição de lipase, enzima que quebra as moléculas de gordura e libera ácidos graxos voláteis e de sabor pronunciado.

Servi o queijo derretido na terrina. Segui as instruções da embalagem e o coloquei no microondas por 2 minutos. Comemos com vegetais grelhados e um pão artesanal de passas e damascos. Uma comidinha rústica, simples e deliciosa. Acompanhamos com um vinho bem fácil, o carménère. Gostei bem da combinação, mas da próxima vez vou experimentar com um Lambrusco di Sorbara, indicação de Juliet Harbut em seu “ O livro do queijo”. Acho que um toque frissante vai cair muito bem.

Ainda gostaria de descobrir o porquê de todo provolone no Brasil ser defumado. Nem mesmo a legislação traz esssa exigência. Se alguém souber essa história, conta pra gente.

Uma aula sobre provolone Continuar lendo