Queijo Manchego, o melhor do mundo em 2012

Manchego

Por Renata Curzi

Adoro queijos de sabor complexo, degustá-los é como ter uma orquestra sinfônica dentro da boca. Para mim, o queijo Manchego entra nessa categoria. O seu sabor inicial é adocicado e fresco e evolui para um picante persistente, enquanto derrete completamente na boca… Como se o sabor irresistível não bastasse, é feito com leite de ovelhas e por isso tem uma ótima digestibilidade. Você pode comer à vontade que não vai sentir-se indisposto depois, o que o torna ideal para ser servido em entradas.

Tantas qualidades foram reconhecidas no último World Cheese Award (concurso internacional de queijos no Reino Unido). Um Manchego artesanal foi eleito o melhor queijo do mundo. Concorreram mais de 2700 produtos de 30 países diferentes.

Versões industrializadas do queijo mais famoso da Espanha, produzidas com leite pasteurizado, são encontradas no Brasil, inclusive em um supermercado no bairro onde moro (que perigo!). O precinho não é muito atraente, R$35,00 a fatia de 250g (R$140,00 por Kg). Mas pelo menos não precisamos mais pegar um avião para comprá-lo: antes não achávamos o Manchego em BH, trazíamos de São Paulo. Continuar lendo

O que são queijos AOC, DOC ou DO?

IMG_0295Por Renata Curzi

As certificações, AOC (Apellation d’origine controlée– França), DOC (Denominozione di origine controllata– Itália), ou DO (Denominación de origen-Espanha), impressas nos rótulos de alguns queijos, atestam que eles foram produzidos de acordo com métodos tradicionais de fabricação, dizemos que têm a denominação de origem controlada. Os países produtores criam uma regulamentação das características destes produtos para defendê-los das cópias e da perda de identidade.

O Roquefort, por exemplo, só pode ser chamado por esse nome quando produzido na região de Roquefort, maturado nas cavernas locais, com leite de ovelhas, seguindo determinadas normas de fabricação, tamanho e forma.

Esses critérios valorizam e diferenciam os produtos e ainda reforçam o conceito do terrroir, já que enfatizam a ideia de queo queijo produzido em outra região não terá as mesmas características do queo produzido na origem. Outros fabricantes poderão até tentar produzir  similares, mas não passarão disso. Serão os “queijos tipo” Emental, Gorgonzola, Grana Padano, etc.

No Brasil

Continuar lendo

Como apreciar o queijo Brie

As melhores parcerias do queijo BriePor Renata Curzi

Conhecido como o “Rei dos Queijos”, o Brie ganhou esta fama quando seu parente mais nobre o Brie de Meaux (queijo francês com AOC– denominação de origem controlada) ganhou este título no Congresso de Viena no século XIX. Por ter sido produzido originalmente na região da Île de France, ele também é conhecido como o queijo parisiense.

No Brasil ele vem se popularizando aos poucos. O Brie produzido nacionalmente está em qualquer bom supermercado. Podemos encontrar também alguns importados industrializados. Os artesanais, feitos com leite cru e de sabor mais complexo não são feitos no Brasil e não podem ser importados por causa de nossa legislação sanitária. Então, fica a dica de um programa imperdível na França: experimentar os queijos Brie feitos com leite cru, mas atenção procure na embalagem as referências: “au lait cru” ou ainda AOC.

Características

Queijo Brie

Queijo mais maturado: massa homogênea e macia. Na casca nota-se que o mofo branco não está tão dominante, já é possível observar pontos amarelados.

 

Sua casca branca aveludada é resultado da ação de um fungo, o Penicillium camemberti, que não só dá a sua aparência característica, mas também promove a sua maturação de fora para dentro. Já notaram que o Brie mais jovem tem a massa em torno da casca mais mole e untuosa, enquanto o centro é mais denso? Isso é resultado da ação do mofo. Com o tempo, suas enzimas tornam a textura do queijo mais flexível e o seu sabor mais pronunciado. No final deste processo o sabor é forte e tende ao amoniacal e a massa parece quase derreter.

Qual a fase ideal para consumir? 

IMG_0218

Queijo brie jovem: a massa ainda não é homogênea, observa-se no seu interior um ‘coração’ mais duro e de cor ligeiramente mais pálida. Na casca, o mofo branco forma um veludo ainda bem uniforme.

Continuar lendo